ESPETÁCULOS

Começámos em 1997 a criar espetáculos para adultos, crianças e jovens. 

1.png

EM GUERRA O SINGULAR POUCO IMPORTA

Foi na primavera passada. As casas voltaram a ser habitadas, os animais de companhia passaram a ter o olhar atento da presença humana mais do que dois dias consecutivos e as famílias confrontaram-se com o tempo de um dia por completo. Os frigoríficos foram abertos mais do que o necessário, e a dispensa obteve uma percentagem equivalente à sala no que à carga horária diz respeito. Os encontros sociais ficaram adiados, as discotecas desabitadas e os palcos vazios.

Mais informação

DA PLATEIA PARA O PALCO

Num duelo carinhoso com o público, a Frente Casa dá voz à ação. Um espetáculo onde o espectador é confrontado com as suas próprias ações e com os pensamentos de quem o conduz e assiste todas as noites.

Fotografia 1.jpg
IMGP6145.JPG

PURO-SANGUE

Puro-sangue é o encontro entre dois atores, que transportam consigo uma herança cheia de vestígios de viagens através da ARTE e que dão vida às suas personagens, criando ambientes de grande cumplicidade artística…

Uma viagem pelos palcos da vida.

Um espetáculo para saborear.

“…Nunca te esqueças…há sempre uma personagem, o princípio da incerteza.”

MNEMÓNICA

“Mnemónica”  é um espetáculo intimista que cria ambientes singulares, entre as imagens, a palavra e o movimento. São viagens à volta dos caminhos que se percorrem para chegar às memórias ou à falta delas. “…esqueci-me do que tinha para dizer…às vezes acontece esquecer-me das imagens…Envelheci outra vez no caminho para casa e quando isto me acontece, pesa-me o nome cheio de letras e não consigo pensar.” (Patrícia Portela).

458448_3195194033520_1076019492_2875517_1449669049_o.jpg
TRILHOS.JPG

TRILHOS D'OIRO

Trilhos D’Oiro é uma comédia de costumes, um espetáculo etnográfico, onde se tocam cheiros e sabores, sobre texturas que dão cor às palavras que saltam de corpo em corpo, em movimentos que recordam todos os tempos.

Não é só a singularidade do sussurro dos campos, é o aroma e sabor inigualáveis que mantêm viva a chama da paixão pelo Alentejo, digno de ser (re)descoberto.

 

“Vivemos num tempo sem tempo.

Ainda não é hoje o dia de amanhã, ou já foi?

Esses dias ainda são estes e serão outros que hão-de vir.

Corremos, temos pressa. Temos sempre pressa.

Ignoramos as coisas realmente importantes da vida.

E É PENA!”

VOZES DO RIO

DefiniFotos Opsis 2007 042.jpg
Foto_A_Verdadeira_História_de_Andreia_Belchior.jpg

A VERDADEIRA HISTÓRIA DE ANDREIA BELCHIOR

Numa sociedade onde se vive o culto da imagem e da fama, onde os estereótipos da dupla Barbie e Ken emergem ferozmente, surge Andreia Belchior...

Uma história que nos transporta numa viagem fascinante, um percurso de vida de uma mulher que sonha...

É uma peça que percorre e regista momentos onde o imaginário e a realidade se cruzam e se confundem, criando ambientes de revolta e paixão, confrontando-nos com o perigo iminente de deixarmos de viver a nossa vida refugando-nos no sonho.

IM000655.JPG

HISTÓRIA MÁGICA

Uma história de encantar. Uma passagem para o mundo maravilhoso dos sonhos:  a fantasia, o imaginário... que se torna realidade.

Um Mestre de Dança e uma Bailarina levam-nos a percorrer o universo fantástico da Dança.

IM000655.JPG
universos.JPG

UNIVERSOS E FRIGORÍFICOS

RISCO

DSC02615.JPG
DSC00392.JPG

TEATRO OBRIGATÓRIO

Um burlesco com implicações socioculturais: um ator, uma bailarina e um artista plástico, perdidos nas ruas da globalização, encontram-se nas famosas ceias que os artistas por vezes organizam recorrendo à ARTE,  para esquecer as dificuldades financeiras. Instituem então, o teatro obrigatório, para que nunca se vejam mais todos estes teatros vazios.

O FEITIÇO DO LIVRO

Uma história de encantar, um passaporte para o mundo maravilhoso dos livros: a aventura, a fantasia e o terror...

O Senhor das Páginas, guardião da escrita dá-nos a conhecer o Pirata da Perna de Pau; uma Fada com varinha mágica e um Monstro carinhoso e simpático, que juntos nos fazem viajar numa aventura fantástica.

FEITIÇO 1.jpg
Foto_5.jpg

FALATÓRIO

Rusante é um pobre diabo a quem a  guerra tentou na mira do saque, um sonho à mão de semear, um espelho onde quem se vê, inventa outro,  uma filosofia das coisas do imediato.

Menato seu “compadre” foge dela e na sua terra vai construindo o seu desejo de ser proprietário, tem bicicleta e passos concretos para gerir bem as coisas a pensar no futuro. 

Nhua que vivera com Rusante,  procura na máscara uma outra pessoa que não pode ser, amantizou-se com outro que agora lhe dá “boa vida”.

Acabado de se raspar da guerra , Rusante regressa à terra em estado de lastimar, ser soldado tornou-o mais pobre e alucinado. Quando encontra Nhua sacode a guerra do pêlo para não mais se lembrar dela. Menato vai abrir a boca de espanto com o soldado que correu mundo “e até fala alemão”. Como irá o desertor da guerra reencontrar esta sociedade de pessoas despaísadas, cada um procurando no fundo do  túnel a luz que lhe calhou?

Um drama familiar um burlesco melodramático de implicações trágicas.

O SOL TONTO

“O Sol Tonto”, uma fábula maravilhosa onde um Palhaço cheio de alegria e uma Bailarina que voa, descobrem o Sol, bonito e quente, que se sentia só e com a cabeça a andar à roda.

Um espetáculo onde a palavra, o som e o movimento constituem um trio que nos leva numa viagem através das quatro estações do ano, numa espiral de acontecimentos mágicos, combinando formas e cores na criação abstrata de uma harmonia capaz de exaltar qualquer emoção.

Foto_6.jpg
BRINQUEDOS.png

O PAÍS DOS BRNQUEDOS

Para lá do rio, por entre as árvores de uma densa floresta, vivia um coelhinho que  sonhava com o país dos brinquedos.

Um dia o rei dos gnomos levou-o numa viagem maravilhosa a um mundo fantástico que todos sonham alcançar.

 

Uma história de brincar, com travessuras e magia, onde a emoção e a criatividade se inter-relacionam numa difusão de elementos poéticos.

O SAPO APAIXONADO

O Sapo sentia-se esquisito, não sabia se estava contente ou

se estava triste.

Que é que teria?

Não estava com muito bom ar.

Tinha ataques de calor e de frio.

Tinha vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo.

Tinha uma coisa dentro dele que fazia Tum - Tum!

E quando menos esperava, ficou com a cara muito verde:

Estava apaixonado!

 

Uma história fantástica de amor,

num mundo colorido onde tudo

pode acontecer.

SAPO.JPG
foto4.jpg

O FANECA E O SEBOSO

Pum! Pum! Clop! Clop! Bong! Bong!

Pepérépépépé!

Um rufar de tambor... e chegou o momento da alegria, da poesia, e do riso:

Entram na pista o Faneca e o Seboso uma parelha de Palhaços de elite  que pertencem à tribo dos índios Hopi.

Mestres criadores de zombarias, brincadeiras com códigos sociais: os verdadeiros rituais das tribos de consumo.

Coisas escondidas, segredos e coisas que se revelam a si próprias e que aparecem quando olhamos para elas.